Gritos do Tempo

by VESANO

/
1.
2.
3.
4.
09:37
5.
05:16
6.
08:24
7.

credits

released December 28, 2014

tags

license

all rights reserved

about

Dunkelheit Produktionen Aachen, Germany

Dunkelheit Produktionen
Label for Negative and Somber Music Art

contact / help

Contact Dunkelheit Produktionen

Streaming and
Download help

Shipping and returns

Redeem code

Track Name: Retiro Filosófico
Uma luz brilha através de minha janela
Apesar de ser meia-noite
Eu sei que é em vão,
Um espírito poderoso e ativo
Procurar consolação em seu retiro
O homem de inteligência aguçada,
Tem ao menos nas letras
Um alimento a sua vontade,
Quando se vê privado de ação.
Às vezes, o pensamento se lança
Fora da sua esfera natural.
Antes do declínio desta lua,
E, sem as lágrimas salgadas
De uma realidade evidente,
O túmulo se torna contente,
Acalmando um coração indeciso...
Vejo, tão longe quanto a vista pode alcançar
Os vastos domínios da morte;
Majestosa anfitriã,
Que faz do rio da minha vida
Um pântano estagnado....
Track Name: Ao Meu Conhecimento
Todos riam e eu chorava,
Mas não era choro de tristeza,
Era a sabedoria, que rasgava
Minha mente com sutileza.

Ah, o conhecimento;
Caminho sem volta,
Fúnebre e solitária escolta,
Invisível qual o vento.

Quanto mais saber, mais sofrer.
A tristeza é uma consequência da reflexão,
Mostra todas as faces da desilusão
E nunca as deixa de querer.

Possas assim crescer,
Qual o sol em seu alvorecer,
Até o dia de não mais poder.
Track Name: A Marca
Há muito procurei deixar minha marca;
De todas as maneiras possíveis tentei,
Tudo que encontrei foi a estaca
Daquilo que representei.

Mundanamente errôneo outrora,
A vida ferira-me profundamente;
Quem sabe a mesma, agora,
Deixaria-me um pouco contente.

Do sofrimento ninguém escapa,
Esta venerável e sutil espada,
Que trouxera-me tua arca.

A marca que deixei foi uma estaca,
Cravada na lembrança
Daqueles que possuem a esperança,
De que a morte não alcança.

Procurei deixar minha marca,
Mas como todos, fiquei em destroços;
Esta agora és minha marca,
Uma velha pilha de ossos!
Track Name: Infindável
Encosta-me a face ao pranto
Amargo da pousada.
Na descida anseia,
Uma vida de dor cheia.

O chamado mudo, o olhar cego.
Sangue morto pisado, estancado.

Marcas gritam pátinas externamente,
Internamente deteriorado.

Que a tanto quanto,
Faz-se consolado.
Anula dura trivial,
Vida abismal.
Track Name: Ondas
Agora falece-me novamente,
Acerca-se nova tempestade avante ao sol.
Desaguam minhas lágrimas saturadas,
Rolando de minha existência desgraçada!

Regada a pranto,
Parte minha face em lamento.
Donde um dia fora luz,
Toma penumbra esvaecida cinza!

Navegando por ondas de tristeza,
Avante sopor ímpio
De augusta nobreza!

Voltas-te com tamanha sutileza,
Mais uma vez afogo-me dentre
Impiedosa correnteza!

Mais uma vez...
Arrasta-me branca água salgada,
Rolando de minha existência desgraçada!
Track Name: Se Eu Te Esquecesse, Óh Morte!
Fonte inspiradora da minha consciência.
Sem ti, não haveria razão para meus versos.
Única e verdadeira estadia,
Durante a vida, construis-te tua moradia
Nas extremidades solitárias de meu coração.
Se te esquecesse, não seria eu,
Em mim, a vida jamais floresceu.
Fora a felicidade de minha tristeza...
Quando meu peito enchera-se de pranto
Fos-te o acalanto.
Quando te achei, me achei,
Quando te encontrei, me encontrei.
Peremptoriamente és minha majestade.
Tua imagem em mim refletiu,
Unimo-nos, sou uno contigo,
Tu és meu abrigo.
No deserto fos-te a água,
No mar fos-te a terra,
Na fome o alimento.
Mostra-me que a morte é bem maior que a vida!
Cicatriza todas as feridas!
Com a morte encontro a glória!
Esta aproxima-se, crê-me, em seu largo passo!